" " NOVA CASTÁLIA

Curta a Página do Autor

domingo, 11 de fevereiro de 2018

MINUTOS DE FILOSOFIA: COMO TER UMA VIDA SAUDÁVEL


O AMOR E A FORMAÇÃO DA PERSONALIDADE


Mudam-se as culturas, alteram-se as concepções dos homens a respeito dos mais variados assuntos, no entanto, a questão do amor continua sendo fundamental. De fato, não há como escapar da relevância do amor, afinal de contas, disso depende não somente a perpetuação da espécie humana: depende também a formação da personalidade. Para Sigmund Freud, o indivíduo cujo desenvolvimento psicológico atingiu a plenitude é aquele que se mostra capaz de amar e trabalhar. Muitos filósofos e teólogos entendem realmente que o ápice da existência dos homens reside na capacidade de amar, e o maior dos mandamentos de Deus na tradição judaico-cristã define-se assim: Amar a Deus sobre todas as coisas e aos outros como a si mesmo. Embora o amor seja uma experiência essencial, sua vivência pode ser alterada levando-se em consideração a maturidade do sujeito. Uma personalidade que tenha ultrapassado satisfatoriamente as fases normais do desenvolvimento psicológico, e que tenha adquirido, consequentemente, noções éticas e morais convincentes, além de ter transcendido os limites de sua rotina corriqueira e alcançado a esperança da vida eterna em uma realidade espiritual, certamente se encontrará preparado para gozar o amor de um modo muito mais profundo e abrangente. Porém, se o indivíduo sofreu alguma interrupção nesse processo, ocasionando problemas na constituição de sua personalidade, é bem possível que não experiencie o amor senão parcialmente ou de forma algo deturpada.

Para estabelecer uma relação amorosa bem-sucedida, imprescindível que se construa, por exemplo, uma autoimagem satisfatória. Quanto mais essa autoimagem estiver edificada sobre o princípio da realidade, melhor será a vivência do amor. Sempre que o indivíduo afirma-se a si mesmo em uma posição de inferioridade, a experiência do relacionamento afetivo fica comprometida por uma constante sensação de incapacidade. Há o temor de não estar à altura das expectativas, e uma exacerbação das qualidades do ente amado. Nessa circunstância, a relação se demonstra uma troca desigual, em que o indivíduo acredita achar-se aquém das qualidades necessárias ao envolvimento amoroso. Por outro lado, uma personalidade cuja autoimagem esteja deturpada pela valorização excessiva das próprias virtudes fatalmente terá dificuldades de oferecer no contato amoroso a contraparte adequada, pois ao se supor em uma posição de superioridade, utiliza o amor de forma egoísta. Pessoas dessa natureza buscam no outro não aquilo que este possui de amável e peculiar, mas sim a própria imagem narcisista nele refletida.

Realmente a plenitude do amor sucede através de uma dinâmica semelhante à via de mão dupla na qual aquele que ama procura no ser amado certa realidade distinta, sendo que a conexão com essa realidade se transforma em uma experiência de descoberta: é a descoberta do outro naquilo que este possui de particular. Trata-se de um processo complementar em que o amante se esforça no sentido de descortinar o segredo da outra pessoa no intuito de ali encontrar algo que lhe é faltante. Do mesmo modo, aquele que ama deve necessariamente desvelar seus mistérios interiores com o objetivo de se fazer compreendido, revelando-se nesse encontro amoroso. Portanto, existe uma contemplação mútua na qual a objetividade do ser carnal comunga-se com a subjetividade do sentimento em uma relação onde a linguagem é, às vezes, evidente e, outras vezes, cifrada. Há que se conviver com certos aspectos desconhecidos na personalidade do ente amado, na esperança de que o tempo e a proximidade ocupem-se da tarefa de tornar conhecido o que é obscuro. Quando o relacionamento estabelece laços firmes, o diálogo antes repletos de confusões e inconsistências, de palavras excessivas e discursos vazios eleva-se ao nível superior no qual o entendimento ocorre de maneira mais natural, às vezes até silenciosamente, porque as almas, então, compreendem-se quase imediatamente devido ao fato de que a convivência as colocou no mesmo patamar. Sem o risco do sentimento de inferioridade ou de superioridade, o ato de amar acerca-se da plenitude tão almejada.

Porém, o ideal do relacionamento amoroso, exatamente por ser de alta exigência, nem sempre é alcançado. Com frequência, as relações sucedem em um estágio muito aquém daquele aqui proposto, e ao acontecer assim se torna terreno propício de frustrações. Nessa circunstância, lamentar os relacionamentos malsucedidos não é o bastante, afinal, a questão não se resume simplesmente em fazer a escolha correta no momento de admitir a pessoa com quem se estabelece o intercurso amoroso: sobretudo, trata-se de alimentar em si mesmo a atitude adequada, sendo que tal se resume em estar disposto a estimular esse movimento de descoberta do outro, além do desvelamento de suas próprias verdades interiores. Para isso, o exercício de um processo analítico pode ser aconselhável, porque havendo sucesso na relação transferencial entre o paciente e o psicanalista, aquele deverá ser conduzido ao centro de si mesmo, e assim desconstruir as barreiras da personalidade que impossibilitam a fruição do amor. Talvez seja realmente ilusório acreditar que, em meio às vicissitudes da existência, convivendo com as incongruências da alma humana, alguém consiga entender a postura correta na relação sentimental. Por isso será salutar submeter-se aos cuidados de um psicanalista competente que, conduzindo o indivíduo pelo caminho do conhecimento de si mesmo, revele as deficiências de sua personalidade, e auxilie a corrigi-las.


Gabriel Santamaria é autor de O Evangelho dos Loucos (romance), No Tempo dos Segredos (romance), Assim Morre a Inocência (contos), Destino Navegante (Poemas), Para Ler no Caminho (Mensagens e Crônicas).


quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

HERMANN HESSE E A PSICANÁLISE




Quando um ramo do conhecimento começa a exercer influência dominante tanto na sociedade quanto na cultura, surgem manifestações artísticas variadas expressando o espírito dessa contribuição intelectual. Geralmente, a literatura exerce uma posição de destaque, legando obras relevantes que auxiliam na compreensão daquilo que é proposto como conhecimento. No caso da psicanálise, é um fato que deitou influência no pensamento de inúmeros escritores, no que tange à elaboração de enredos com características analíticas ou na criação de personagens psicologicamente complexos, ou ainda na crítica do trabalho literário como expressão da personalidade do autor. Sigmund Freud realiza esse tipo de estudo peculiar em seus escritos, atendo-se especificamente a Fiódor Dostoievski e William Shakespeare, assim abrindo uma interessante vereda de investigação para psicanalistas e críticos literários. Seguindo essa perspectiva, ainda atualmente existe a possibilidade de estender atenção às obras e à biografia de outros literatos, a fim de compreender como a psicanálise ali se faz presente, interpretando aquele terreno humano particular. 

Na metade do século vinte, sobretudo na Europa, a literatura estabeleceu laços firmes com a psicanálise na tentativa de explicar melhor a sociedade e a natureza humana. Uma obra de características poéticas e filosóficas como a do escritor germano Hermann Hesse não se furtou ao diálogo com o trabalho de Sigmund Freud em publicações ficcionais que lhe valeram o prêmio Nobel de literatura. Como um exímio perscrutador da alma, um cultor do autoconhecimento, e também um buscador da verdade, Hesse assimilou alguns elementos da psicanálise em seus enredos, como os impulsos instintivos do Id tentando exercer controle sobre a personalidade dos indivíduos, o escrutínio do inconsciente e a evocação das memórias infantis. A força das pulsões ou o poder do âmbito instintivo expressam-se em romances como O Lobo das Estepes e Demian. Com agudeza de análise, Hesse cria protagonistas que se encontram em uma região existencial de contraste entre os desejos obscuros e a luz da sabedoria, e trilham caminhos de autodescoberta através da vitória do elemento intelectual sobre os declives da personalidade humana. 


Para compreender melhor as dimensões existentes na obra de Hermann Hesse, é necessário discernir em suas páginas algumas referências marcantes que se manifestam em várias narrativas. Dessas referências, uma das mais corriqueiras é o dualismo estabelecido entre a vida superior – existência espiritual ou hemisfério intelectual – e o ambiente inferior da vida mundana, frequentemente uma existência relacionada a crimes e a obtenção frugal de prazeres. No prólogo do romance Demian, o autor descreve o ser humano da seguinte forma: Homem algum chegou a ser completamente ele mesmo; mas todos aspiram a sê-lo, obscuramente alguns, outros mais claramente, cada qual como pode. Todos levam consigo, até o fim, viscosidades e cascas de ovo de um mundo primitivo. Há os que não chegam jamais a ser homens, e continuam sendo rãs, esquilos ou formigas. Outros que são homens da cintura para cima e peixes da cintura para baixo. Mas, cada um deles é um impulso em direção ao ser. Como uma criatura cindida, o homem se vê colocado em uma circunstância de divisão, e tal divisão é proposta quando Emil Sinclair – o protagonista da trama – descobre-se no limiar de uma rotina delinquente, sendo salvo pela atuação influente de Demian. O encontro com o jovem notável representa a passagem da escuridão à luz, do terror paralisante para a bravura honrosa, da ignorância mais baixa ao cultivo da sabedoria. Também no conhecido romance O Jogo das Contas de Vidro, o dualismo se apresenta na distinção demonstrada entre uma vocação intelectual superior daqueles eruditos que se dedicavam à Castália e o resto da sociedade que vive imiscuída em questões de ordem prática e material. 


Como surge, afinal, essa temática dualista no trabalho literário do escritor germânico?


As experiências iniciais do autor, aquelas relacionadas à infância e à juventude, certamente marcaram com profundidade seu imaginário. Hesse era filho de teólogos protestantes, e seu destino estava aparentemente vinculado às expectativas dos progenitores: como eles, deveria dedicar-se aos estudos teológicos, e encerrando-se formalmente em um seminário, de lá sairia como pastor de um rebanho cristão. Sua residência, o lar constituído pela família Hesse, era um ambiente no qual reinava a ordem e a piedade, e embora o jovem Hermann admirasse essa harmonia, seu desejo verdadeiro consistia em mergulhar no mundo, expandir horizontes, bebendo no cálice das satisfações mais seculares. Por isso, fugiu do seminário, imergindo em uma existência dedicada ao conhecimento, à literatura e às inúmeras expedições de caráter místico e espiritual. A dicotomia entre os ambientes do lar paterno – e do seminário também naturalmente – e a realidade do mundo determinou a percepção do escritor Hermann Hesse. Seus personagens encontram-se com muita frequência divididos entre dois hemisférios, e quando não exatamente assim, o autor costuma caracterizar tal dualismo em indivíduos de características bastante antagônicas, como é o caso de Narciso e Goldmund. 


Que Hermann Hesse tenha interessado-se pela psicanálise é sugestivo porque demonstra não somente que seus interesses acercavam-se das questões freudianas, mas também que sua personalidade exigia uma análise de ordem psíquica. De fato, seu desenvolvimento sexual e intelectual como processo formativo e, concomitantemente, traumático delata-se em personagens como Demian e Harry Haller (O Lobo da Estepe), induzindo-nos a deduzir que para o autor alemão, a literatura não significava apenas uma forma artística de expressão; além disso, ela representava um dos elementos essenciais de sua autoanálise. 


Gabriel Santamaria é autor de O Evangelho dos Loucos (romance), No Tempo dos Segredos (romance), Assim Morre a Inocência (contos), Destino Navegante (Poemas), Para Ler no Caminho (Mensagens e Crônicas).

domingo, 7 de janeiro de 2018

A POSIÇÃO AMBÍGUA DO SUPEREGO NA OBRA FREUDIANA


O surgimento da psicanálise com Sigmund Freud encontra-se intimamente vinculado à tentativa de oferecer uma abordagem terapêutica diferente acerca dos problemas psicológicos dos pacientes. Os métodos utilizados até aquele momento não levavam em consideração a hipótese do inconsciente como depósito de impulsos reprimidos que, passado certo tempo, gerava neuroses e outras enfermidades. Com os estudos freudianos, o olhar observador do analista se deteve na história do desenvolvimento do paciente, desde a sua infância até a fase adulta, passando por marcantes fases na busca de satisfação prazerosa: as fases oral (amamentação), anal (defecação) e fálica (libido). Freud abandona métodos de tratamento puramente fisiológicos, e começa a investigar a psique dos indivíduos através de um processo caracterizado pelo diálogo, ou seja, através da fala, o paciente é dirigido a realizar a abertura de seu histórico psicológico. Desse modo, descobre como as figuras materna e paterna influenciavam na estruturação da personalidade humana através do famoso complexo de Édipo. Para o criador da psicanálise, todas as principais tendências da natureza pessoal de cada paciente determinam-se nos primeiros anos de existência, tornando-se imprescindível escrutinar as relações familiares mais essenciais a fim de compreender e solucionar as questões psicológicas.

Mas todo o desenvolvimento psicológico não ocorre sem que exista uma situação constante de conflito. O ser humano encontra-se no centro de uma espécie de batalha psicológica na qual o ego sofre a pressão dos impulsos naturais (Id) e é concomitantemente reprimido pela ação do superego. Quando se refere à força das pulsões, Freud aborda diretamente o âmbito dos desejos, da busca incessante de satisfação prazerosa, circunstância que é parte integrante de qualquer personalidade humana, conquanto não esteja vinculada essencialmente aos hemisférios da razão ou então do intelecto, e sim ao hemisfério dos instintos. Instigar o ego à realização dos desejos, dos apetites, nisto constitui a função do Id. Originalmente, Sigmund Freud não defende que o ser humano tenha que se entregar à fruição de todos os impulsos, no entanto, tenta compreender como a repressão a essas pulsões naturais pode causar neuroses. Em seu famoso trabalho O Mal-estar na Civilização, o pai da psicanálise afirma que a sociedade humana depende da repressão aos instintos fundamentais para estabelecer-se e ter continuidade histórica. Se o impulso ao incesto não for reprimido, por exemplo, a estrutura familiar ficará comprometida, e isso abalaria os pilares da civilização. Portanto, ainda que a repressão cause neuroses ou mal-estar, como ele mesmo descreve, se tal não ocorresse dificilmente as sociedades humanas existiriam.

Isso coloca a questão do superego em uma posição ambígua. De certo modo, Sigmund Freud julga que esse elemento restringe a liberdade dos desejos, limita as pulsões, ocasionando nos indivíduos um desconforto que nem sempre é resolvido em âmbito psicológico. Porém, sem o superego, supõe-se que os seres humanos estariam entregues a toda sorte de animalidade, submetidos aos instintos mais fundamentais da natureza, à agressividade desenfreada, por exemplo, o que dificultaria, consequentemente, a convivência social. Então como compreender o superego? A psicanálise freudiana não sugere que o superego deva ser abolido, aliás, nem sequer acredita nessa tal possibilidade. Trata-se de um elemento constituinte da psicologia humana, e em vez de extingui-lo, urge entendê-lo no intuito de evitar exageros constrangedores em sua atuação. Sem dúvida, inibir as pulsões, ainda que psicologicamente conflitante, favorece o desenvolvimento civilizacional e, muito frequentemente, exerce determinada proteção sobre as pessoas. Se os instintos elementares se encontrassem livres de entraves, dificilmente os pacientes seriam realmente capazes de reconhecer os limites do ambiente e também da liberdade dos outros. Constrangido pela ação do superego, o ego evita entregar-se a uma rotina desregrada. De fato, subsiste nessa relação uma tônica legisladora e moralizante que, dentro de fronteiras razoáveis, mostra-se até mesmo salutar. O trabalho de Sigmund Freud busca, entretanto, descobrir um modo de controlar a tendência tirânica do superego a fim de descobrir soluções terapêuticas para os males psicológicos que acontecem devido à sua influência exagerada.

Provavelmente, antes de estimular a supressão absoluta do superego ou a liberação total das pulsões, interessa buscar o equilíbrio entre essas duas forças atuantes na estrutura psicológica. Se o ego terá necessariamente que subsistir no centro dessa realidade conflitante, cabe descobrir o modo de conviver com impulsos e censuras, jamais se deixando subjugar. De certa forma, a psicanálise carrega a missão não de suprimir elementos constituintes da psicologia humana, mas antes de estabelecer o equilíbrio, a sanidade mental dos pacientes. Quando o psicanalista aborda os dilemas relativos ao estado psicológico dos indivíduos com esse objetivo, caminha rumo à cura das doenças. Sempre é bom recordar que o consultório não deve ser encarado como o campo de batalha onde se travam lutas teóricas ou conceituais. O fim da psicanálise não é comprovar esta ou aquela teoria: trata-se, no fundo, de oferecer ao paciente um processo terapêutico suficientemente capaz de aliviar seus sofrimentos. Nesse sentido, conduzi-lo ao equilíbrio é entregar um bem precioso que está acima das disputas intelectuais.

Gabriel Santamaria é autor de O Evangelho dos Loucos (romance), No Tempo dos Segredos (romance), Assim Morre a Inocência (contos), Destino Navegante (Poemas), Para Ler no Caminho (Mensagens e Crônicas).