" " NOVA CASTÁLIA: FACHO DE LUZ

Curta a Página do Autor

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

FACHO DE LUZ



Às vezes, o escritor caminhava à beira-mar, percorrendo as falésias do Algarve, em Portugal.

Sentia-se tranquilo e melancólico, observando a paisagem, cruzando com desconhecidos, e tentando captar nas horas vespertinas a poesia tão necessária à existência.

Sua terra estava distante. Sua gente mal conhecia o paradeiro daquele escritor. Ele era um estrangeiro. Um homem sem destino ainda definido, à espera das transformações tão necessárias à existência.

Pediu um sinal.

Ou talvez não tenha exatamente pedido. Talvez tenha só suspeitado a presença discreta do divino naquele entardecer.
O mar estava encapelado. O céu coberto de nuvens.

Pouquíssimas pessoas arriscavam-se a vagar displicentemente na praia. Então ele testemunhou a rocha sobre a qual incidia um facho de luz solitário.

O firmamento ali se abrira o suficiente para que o astro solar derramasse o raio exclusivo sobre a rocha marítima.

Por um instante, ele desejou ser também como aquela rocha, e receber do alto um facho solitário como aquele que o tornasse exclusivo na hora tardia.

Isto foi tudo o que conseguiu desejar sinceramente naquele momento.

TRECHO DO LIVRO PARA LER NO CAMINHO (MENSAGENS E CRÔNICAS). PARA ADQUIRIR A OBRA, CLIQUE AQUI.

Sem comentários:

Enviar um comentário